Ana, Mulher Perseverante

       “… perseverando ela em orar perante o Senhor, Eli fez atenção a sua boca, porquanto Ana, no seu coração, falava, e só se moviam seus lábios, porém não se ouvia sua voz; pelo que Eli a teve por embriagada. E disse-lhe: Até quando estarás embriagada? Aparta de ti teu vinho. Porém Ana respondeu e disse: Não, senhor meu, sou uma mulher atribulada de espírito; nem vinho nem bebida forte tenho bebido; porém tenho derramado minha alma perante o Senhor”.

       Elcana, esposo de Ana, apesar de ser considerado efrateu (1 Sm 1.1), era levita, descendente de Coate, segundo filho de Levi. Arão, o primeiro sumo-sacerdote, era coatita, do qual descendeu Eleazar, de cuja linhagem pertencia Samuel, o sucessor de Eli, que foi relapso, e, por isso, destituído de suas funções sacerdotais, principalmente por ter sido tolerante com seus dois filhos, que foram corruptos, e, castigados, morreram em um mesmo dia, juntamente com o pai.

       Ana era estéril; por isso, era desconsiderada pela sociedade judaica e desprezada por Penina, outra mulher de Elcana, que a humilhava, por não poder ser mãe, apesar de ser a mais amada das duas. Ela confiou em Deus, e, com a concordância do marido, fez um voto ao Senhor, de que se Ele lhe desse um filho homem, este seria consagrado durante toda sua vida para o exercício do sacerdócio.

       Há um ditado popular que diz: “Insista, persista e não desista, pois seu dia chegará”. Mediante nossa insistência e persistência, nossos sonhos são realizados, apesar das muitas dificuldades que enfrentaremos; mas jamais desistamos, pois só valorizamos o que conquistamos na vida, aquilo que adquirimos com muito esforço. Todos os vencedores que se destacaram na história humana, transpuseram muitas barreiras para chegarem ao sucesso.

       Ana queria a todo custo ser mãe. Por isso, não desistiria de pedir a Deus um filho. Creu que o Todo-poderoso tinha poder para atender sua oração. Ela não estava preocupada de tê-lo ao seu lado, mas, mesmo antes de seu nascimento, oferecia-o ao serviço do Senhor no Tabernáculo. Recebeu a bênção desejada, e cumpriu seu voto, ao, após desmamá-lo, levá-lo ao templo e entregá-lo as mãos do sacerdote Eli.

       Neste segundo domingo de maio, comemoramos o Dia das Mães. Deus permita que suas servas, que tiveram o privilégio da participar da maternidade, criem seus filhos no temor do Senhor, e sejam perseverantes, sem jamais desistirem de pedir ao nosso Salvador e Redentor Jesus Cristo, as mais ricas bênçãos celestiais para seus lares. Ana, após cumprir seu voto, foi agraciada pelo Todo-poderoso, pois ainda concebeu mais cinco filhos (1 Sm 2.21).

Pr. José Wellington Bezerra da Costa

Presidente do Ministério do Belém e da CONFRADESP

Junte-se à discussão

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back to top